OPINIÃO: JOSÉ LUIZ OLIVEIRA DE ALMEIDA



Eu, odiado


Resultado de imagem para jose luiz almeida desembargador

Por  José Luiz Oliveira de Almeida



Esse fato já aconteceu há algum tempo, mais precisamente no dia 03/02/2015, às 20h45min. Contudo, só agora, depois de ter a certeza de que não me deixaria levar por um sentimento menor, resolvi tecer alguma consideração a respeito, mesmo porque esse é um período – natalino - que favorece esse tipo de reflexão, quando o fazemos sem nos deixar levar pelo ódio e pelo espírito de vingança.



Pois bem. No dia e hora acima mencionados, recebi no meu blog – joseluizalmeida.com- a manifestação de um leitor, à guisa de comentários, no mínimo deselegante e desumana, a qual resolvi hoje compartilhar com os meus amigos e com aqueles que, mesmo sem ser amigos, me conhecem e sabem – pelo menos é o que penso - que não sou do tipo descrito nos comentários, sobre os quais me deterei a seguir.



Nos comentários em referência, o leitor - ou inimigo, sei lá! -,  cujo nome não vou mencionar porque não sei se é verdadeiro ou falso, me chama, dentre outras coisas, de desumano e injusto, além de ser odiado por todo mundo, inclusive pelos funcionários do Tribunal de Justiça, o que me causou grande estupefação, pois, afinal, tendo capacidade de discernimento, não é isso o que constato no meu dia a dia.  



Nos mesmos comentários, o anônimo – ou não tão anônimo assim - diz, ademais, que a sociedade me tem em conta de um tirano, um homem mau, pessoa ruim. Em seguida, insiste em afirmar que, no meu local de trabalho, sou uma unanimidade, ou seja, odiado por todos.



Noutro fragmento - e aí coloca no mesmo nível todos os julgadores da minha câmara -, diz que a 2ª Câmara Criminal, na qual atuo, é uma câmara de gás, comparando-nos, com essa qualificação, a Hitler, aduzindo, de mais a mais, que até mesmo Jesus Cristo, se fosse julgado por nós, morreria na cadeia. Não satisfeito, depois de reafirmar que não passo de um tirano, deseja para mim um bom lugar no inferno.



Tais comentários, como se vê, são uma agressão a minha pessoa, não só como magistrado, mas também como homem de família, Tais comentários, porque os entendo injustos, bem assim os adjetivos assacados contra mim, me deixaram agastado, conquanto, para amenizar, me visse tentado a fazer, em face dele, um juízo crítico de compreensão, para concluir que o agressor, seguramente, é alguém que não tenha sido beneficiado por uma decisão da minha lavra, o que lhe retira a isenção do julgamento que faz.

Anoto, todavia, que, por ser homem público e por já ter me sentido injustiçado em outras oportunidades, procuro lidar com as críticas com toda a isenção possível, tentando sorvê-las como algo inevitável, em face do exercício das minhas atividades, mesmo porque não há homem público que escape das críticas, muitas das quais graciosas.
 
Quero deixar consignado, no entanto, que o missivista comete um grave erro de avaliação quando generaliza, ao dizer que a sociedade me odeia, pois imagino que isso seja apenas fruto de sua mente, obliterada em face de algum interesse contrariado, afinal, ninguém lança críticas tão mordazes a alguém, senão em face de um sentimento menor.

O que me apraz, o que me conforta, o que me coloca de pé e me fortalece é a certeza de que não é essa a imagem que as pessoas que me conhecem têm de mim. Não sou santo, erro aqui e acolá, cometo injustiças, mas nunca o faço por vendeta ou por maldade, movido pela má-fé.



Importa consignar, a propósito, que tudo na vida depende dos olhos de quem vê, motivo pelo qual Protágoras dizia, com sabedoria, que o homem é a medida de todas as coisas. Também por isso, os mais renomados pensadores reafirmam que a interpretação dos fatos depende do ponto de observação do interprete, de seus valores, ideologia e idiossincrasias.



Aliás, para emprestar uma conotação literária ao tema e para ratificar que o resultado da interpretação depende do intérprete, relembro uma passagem do romance Helena, de Machado de Assis, na qual Estácio e a própria Helena refletem sobre a passagem do tempo, com visões diferentes.



Estácio – A riqueza compra até o tempo, que é o mais preciso e fugitivo bem que nos coube. Vê aquele preto que ali está? Para fazer o mesmo trajeto que nós, terá de gastar, a pé, mais uma hora ou quase.

Helena – Tem razão. Aquele homem gastará muito mais tempo do que nós em caminhar. Mas não é isso simples questão de ponto de vista? A rigor, o tempo corre do mesmo modo, quer o desperdicemos, quer o economizemos. O essencial não é fazer muita coisa no menor prazo; é fazer muita coisa aprazível ou útil. Para aquele preto, o mais aprazível é, talvez, esse mesmo caminhar a pé, que lhe alongará a jornada, e lhe fará esquecer o cativeiro, se cativo. É uma hora de pura liberdade.



Como entremostra o diálogo, tudo depende do ponto de vista de cada um. A vítima de um crime de roubo, por exemplo, decerto se sentirá feliz com uma decisão que mantenha preso o seu algoz; enquanto este, sua família e amigos, decerto se sentirão ultrajados em face da denegação de um habeas corpus, que o faria retornar ao convívio social e, quem sabe, cometer novos crimes. Numa ou noutra hipótese, alguém ficará contrariado, e o juiz, claro, é quem arca com as consequências da decisão, para o bem ou para o mal.


José Luiz Oliveira de Almeida é Desembargador. Membro do Tribunal de Justiça do Estado do Maranhão.
Na data quando se comemora o Nascimento de Jesus, o Cristo, a Agência de Noticias Baluarte preparou para você uma breve antologia representativa do pensamento natalino, aqui descrito pelo olhar de pensadores e escritores.

Quanto a nós, nos reservamos ao dever de desejar a você leitor Paz, Harmonia, Serenidade e Confiança num momento marcado por sentimentos e emoções tão especiais.

Feliz Natal!


‘’Feliz, feliz Natal, que nos traz de volta as ilusões da infância, recorda ao idoso os prazeres da juventude e transporta o viajante de volta à própria lareira e à tranquilidade do seu lar’’.


Charles Dickens


‘’Bendita seja a data que une a todo mundo numa conspiração de amor’’.


Hamilton Wright Mabi


‘’Sugestões de presentes para o Natal:
Para seu inimigo, perdão.
Para um oponente, tolerância.
Para um amigo, seu coração.
Para um cliente, serviço.
Para tudo, caridade.
Para toda criança, um exemplo bom.
Para você, respeito’’. 


Oren Arnold


‘’Que é o Natal? É a ternura do passado, o valor do presente e a esperança do futuro. É o desejo mais sincero de que cada xícara se encha com bênçãos ricas e eternas e de que cada caminho nos leve à paz’’.



Agnes M. Pharo


''Que tal ser durante todo o ano tudo que você é durante o Natal?''


Fernando Atallaia

‘’Perdão é quando o Natal acontece em outra época do ano’’.


Adriana Falcão



"O Natal é uma época do ano em que as pessoas de todas as religiões estão juntos para adorar Jesus Cristo."


Nancy Cartwright